10 dicas para elaborar um projeto ou adequar a sua ETE.

O objetivo aqui é de iniciar a discussão de fatores e considerações a serem avaliados inicialmente ao projeto de tratamento de efluentes ou a serem utilizados na adequação de uma ETE existente, em função de não atingimento de qualidade final de efluente tratado ou da necessidade do aumento de capacidade de tratamento.

1

Questões simples devem ser levantadas:

  • O efluente é ou não biodegradável?
  • Tem variações de carga ou é relativamente constante em sua geração?
  • Tem picos de vazão?
  • Com que frequência e magnitude ocorrem derramamentos, lavagens e sanitizações de equipamentos, descarte de produtos in natura oriundos de falha no processo, etc.? – aqui é importante conhecer a rotinas de produção, laboratório e manutenção.
2

A necessidade de ensaios adicionais e de ações específicas para a estabilização do sistema devem ser avaliadas também antes de se projetar:

  • Qual a capacidade de tratamento estará disponível em condições de choque ou diminuição de carga?
  • Qual a probabilidade de ocorrer bulking filamentoso prejudicando também a decantação?
  • Há a geração de efluente ácidos ou tóxicos?
  • Qual ou quais são as temperaturas que o efluente chegará na ETE?
  • Taxas de crescimento, oxigênio requeridos e decantabilidade e viscosidade de lodo podem ser parâmetros a serem conhecidos previamente frente a um ensaio de tratabilidade ou piloto?
3

O projeto do sistema de tratamento deve contemplar o tipo de tratamento a ser utilizado, a necessidade de pré-tratamento, a concentração de SSV, a Idade do Lodo, a demanda de Oxigênio, volume de equalização, etc., de modo a assegurar o contínuo tratamento e a estabilidade da ETE.

4

A necessidade de ensaios adicionais e de ações específicas para a estabilização do sistema devem ser avaliadas também antes de se projetar.

5

Orientar a produção a utilizar produtos ou matéria primas biodegradáveis pode ser especialmente importante e pode melhorar significativamente a operação do tratamento de efluentes.

6

Frequentemente, as cargas concentradas acontecem durante as lavagens de equipamentos em função do arraste de produtos in natura, que mesmo diluídos a água produzem um efluente ainda bastante concentrado. Altas vazões também são em geral oriundas do processo de lavagens que são promovidas em etapas e durante um período de duas a três horas do dia, produzindo assim grandes volumes de efluentes.

7

Produções intermitentes ou, por exemplo, que param aos finais de semana, são situações que devem ser levadas em consideração no projeto.

8

Estas avaliações resultam em:

  • colaborar no projeto e no plano de start up;
  • reaproveitar resíduos na produção ou em outros pontos;
  • verificar a necessidade de tecnologias adicionais, de tanques de emergência e definir volumes de tanque de equalização, ao invés de descartar diretamente na ETE;
9

A avaliação de um produto ou matéria-prima deve ser feita em função também de análises de toxicidade e de ensaios de respirometria, mesmo que biodegradáveis. O ensaio de respirometria submete a biomassa a determinadas concentrações do produto, medindo simultaneamente a atividade ou o comportamento da mesma, conseguindo determinar a concentração de produto que inibe a atividade microbiana.

10

Elabore um bom plano de caracterização do efluente bruto.